Um panorama do segmento de seguros no país: por que se tornou uma fonte de investimentos?

() Por: Zeca Vieira – O mercado global de fusões e aquisições bateu recorde de crescimento histórico em 2021, e o Brasil, alinhado a essa tendência, registrou o maior número de operações realizadas nos últimos dez anos, segundo dados da Bain & Company. Penso que esse crescimento acontece por dois motivos centrais: o aumento das empresas brasileiras no mercado de capitais e o sucesso da indústria de private equity (PE) e venture capital (VC) no país. A Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais (ANBIMA) estima que as empresas brasileiras conquistaram, em 2021, R$ 596 bilhões no segmento de capitais, e somente os fundos de investimento compradores de empresas (PE/VC) somaram aportes de R$ 53 bilhões nesse mesmo ano, com um crescimento de 128% quando comparado ao ano de 2020, conforme apontam dados da Associação Brasileira de Private Equity e Venture Capital (ABVCAP) e da KPMG. Diante disso, a busca pelas empresas em aumentar a sua competitividade, aliada a essa janela de oportunidade no acesso ao capital, intensificaram os números de operações de fusões e aquisições. Em relação ao setor de seguros no Brasil, estima-se que existam mais de 500 investidores em 41 países interessados em avaliar uma potencial oferta de aquisição. Não obstante, o Brasil é o 14º maior mercado do mundo, com faturamento de R$ 306 bilhões em 2021, conforme aponta um estudo da CNseg. Isso acontece em razão da baixa penetração dos produtos de seguros, mas ainda temos um alto potencial de crescimento. Atualmente, no ranking mundial em densidade de seguros, ou seja, gasto com seguros per capita, o país ocupa a 52ª posição. Pensando no segmento em médio e longo prazo, haverá uma consolidação ainda maior entre as corretoras no decorrer dos próximos anos, uma vez que o mercado ainda é muito fragmentado: são aproximadamente 54 mil corretoras ativas. Por isso, há potencial de crescimento. O Brasil conta com um mercado interno robusto e repleto de oportunidades em diversos setores, além do segmento de seguros. A grande questão é o porquê esse setor chamou mais atenção. Reitero que a fragmentação e o alto potencial do mercado são pontos atrativos para os investidores, uma vez que se trata de um segmento que cresce mesmo com a economia em recessão. A corretora de seguros é valiosa, pois contém dados dos clientes, e isso gera economia de escala e melhora o poder de barganha frente às empresas, o que é percebido pelo investidor. ()Zeca Vieira: conselheiro dos segmentos de seguros, saúde e previdência da Hand, assessoria independente e especializada na venda, compra e gestão de empresas – hand@nbpress.com .

Sobre a Hand

A Hand é uma assessoria independente e especializada na venda, compra e gestão de empresas. A companhia acredita no poder transformador das pessoas, aliado à tecnologia e transparência. Dessa maneira, utiliza metodologias proprietárias para solucionar problemas complexos e gerar valor para as empresas. Para mais informações, acesse: https://www.handgc.com.br .

One thought on “Um panorama do segmento de seguros no país: por que se tornou uma fonte de investimentos?

  • 27 de junho de 2022 em 13:21
    Permalink

    Panorama claro e objetivo , muita qualidade na transferência de conhecimento represado , esta leitura poderia ter uma rotina , semanal , quinzenal ou mensal ! Obrigado

    Resposta

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.